Storie di Passione

50 Tons de Cinza

O livro de E. L. James é o maior sucesso por aqui…

E, não só por aqui.. no google, aparece em primeiro lugar nas pesquisas – já se fala em   transformá-lo em filme.

Todas as mulheres que conheço e as que encontro estão lendo….

O segredo desse sucesso estrondoso, talvez  se deva ao despertar da imaginação e a capacidade de  aguçar os sentidos, o livro realmente prendeu minha atenção, fiz a leitura do primeiro (50 tons de cinza) em dois dias e meio, curiosa para  logo conhecer o final, uma amiga emprestou-me as versões e-book, mas prefiro sentir o livro em minhas mãos.

Fiquei sim um pouco decepcionada com o desenrolar da trama, e pelo que percebi não fui só eu…

Reproduzindo uma análise interessante do livro publicada no site da Bol:

50 clichês e bobagens que permeiam “Cinquenta Tons de Cinza”

1. O perfil da personagem Anastasia Steele já é difícil de engolir: americana, universitária de 21 anos (quando a história começa, ela está na reta final do curso de literatura inglesa) e virgem (em 2011). Anastasia, segundo especialistas, é uma donzela como outra qualquer, com todas as características estereotipadas já vistas em livros, filmes e até fábulas infantis: insegurança, fragilidade, tenacidade etc. A sensação de déjà vu é constante.

2. Anastasia nunca teve um único namorado na vida, apesar de mexer com a libido de todos os homens com quem convive, como José, o amigo de faculdade, e Paul, filho do dono da Clayton’s, loja de material de construção onde trabalha. E, aos 21 anos, não tem sequer um passado de rolinhos e ficadas. Em um trecho, ela diz que Christian Grey é o único homem que lhe despertou realmente a vontade de beijar.

3. Assim que conhece Christian Grey, Anastasia cai estatelada no chão. A autora tentou mostrá-la desastrada para forçar o contraste com a elegância de Christian, mas a passagem ficou boba e gratuita. Sem contar que, nos eventos sociais que acontecem na história, a moça consegue tirar de letra qualquer protocolo ou convenção –inclusive impressiona os pais do namorado, de cara.

4. A autora E L James investe pesado para que o leitor veja Ana como uma Cinderela moderna. Para traçar um paralelo com o conto de fadas, faz com que a garota seja uma espécie de gata borralheira sem roupas ou sapatos adequados para sair com um milionário. É estranho, já que no livro a mãe dela não é necessariamente uma sem-teto –até mora em um lar bem chique, com direito a piscina.

5. Embora pudica, toda vez que se sente excitada na presença de Christian (praticamente a cada página) a mocinha pensa ou solta expressões de baixo calão.

  6. A autora faz questão de, implicitamente, lembrar o tempo todo o quanto Ana é comum e banal comparada ao semideus Christian Grey. É um truque de autoajuda disfarçado, para mostrar às leitoras que elas também têm chance de fisgar um milionário ou encontrar o grande amor.

7. Mais do que se sentir curiosa ou excitada com o universo sombrio de Christian Grey, a verdade é que Ana só topa encarar as experiências no Quarto Vermelho da Dor porque deseja conquistá-lo pelo sexo. Embora o ricaço esteja de fato interessado, ela sabe que o amado precisa de determinados estímulos e não quer ficar por baixo, em comparação com as “ex” dele.

8. A infância triste e miserável e a adolescência de abusos de Christian Grey despertam o instinto maternal de Ana. Sem a velha tendência feminina de bancar a mãe do ser amado, provavelmente, o interesse pelo milionário diminuiria. Sem contar que é um recurso psicológico bem clichê recorrer ao passado para justificar as atitudes esquisitas ou o temperamento soturno do Sr. Grey.

9. Ana só se rende à inclusão digital depois de uma ajudinha do Sr. Grey, que lhe compra um laptop. Para uma estudante do ensino superior, soa Inverossímil, no mínimo.

10. Embora E L James tente mostrar Anastasia como dona de um temperamento forte, apesar da aparência frágil, a verdade é que ela só tem lampejos de personalidade nas briguinhas bobas com Christian, para medir forças. Um exemplo é a cena em que ela pede mais cosmopolitans (qualquer semelhança com as moças de “Sex and the City” é mera coincidência?) só para irritá-lo.

>>>>>

1. O perfil de Christian Grey também é um amontoado de clichês. O objetivo é mostrá-lo ao público (feminino, é claro) como um príncipe encantado moderno: lindo, cheiroso, milionário, elegante, culto, sensual, jogador de golfe. Tudo isso com apenas 28 anos. Até o pé do sujeito é perfeito, já que em um trecho Anastasia confessa sentir vontade de lamber seus dedinhos.

2. Para reforçar a sensibilidade do moço, a autora E L James o coloca para tocar piano sozinho na sala, seminu, após uma transa quente. Claro que Ana o flagra e acha a cena maravilhosa, emocionante. Mais clichê impossível.

3. Christian Grey gosta de tratar as mulheres com palmadas, chicotes e cordas de todo tipo, bolas para introdução vaginal e plugs anais. Mas fica chocado quando Ana usa sua cueca para ir embora, para não vestir uma calcinha usada.

4. Christian teve várias parceiras submissas e perdeu a virgindade aos 15 anos com a melhor amiga da mãe, que o introduziu ao sadomasoquismo. Ana nunca tinha tido nada com outro homem antes do dele. Ainda assim, ele fica com ciúme de uma brincadeira para tola que ela faz com o assessor dele, Taylor. O funcionário havia reservado uma suíte para os dois em um hotel em seu nome e Ana brinca com o fato de ter sido, por alguns momentos, a “Sra. Taylor”.

5. Praticamente um jogo War ambulante, o Sr. Christian Grey parece querer dominar a Ásia, a Oceania e mais um continente à sua escolha. No início da história, é mostrado como um CEO incansável, dono de um império, que não se cansa de trabalhar. No decorrer da trilogia, porém, o moço passa a maior parte do expediente mandando e-mails com joguinhos psicológicos para Ana ou servindo de motorista (e até piloto de avião) para a moça.

6. “Você. É. Minha”. “Você. É. Muito. Gostosa”. Talvez na adaptação cinematográfica, com um bom ator interpretando o papel, as palavras ditas pausadamente e de forma tão enfática pareçam sexy. No livro, é bobo.

7. Segundo especialistas em sexualidade, nenhum contrato entre dominador e submissa traz tantos detalhes e determina regras definidas para a vida pessoal como o que Christian propõe a Ana. Até o sono, a alimentação e a depilação da moça são itens em regulamentação.

8. O sucesso do livro, principalmente entre as mulheres, tem levantado a hipótese de que a maioria tem fantasias sexuais de submissão. Alguns especialistas, porém, analisam esse alvoroço todo apenas como resultado do “Efeito Christian Grey”. Uma coisa seria levar uns tapas do milionário gostosão, outra bem diferente seria se submeter às mãos do marido que ainda não colocou o lixo para fora. Não se pode subestimar o poder da ficção e, principalmente, o fato de que dinheiro e erotismo caminham de mãos dadas para muita gente.

9. Embora tenha uma aura moderninha, Christian Grey tem um perfil masculino mais convencional, conservador até, de homem provedor que paga as contas. Cansadas da jornada diária tripla, muitas mulheres encontraram no livro uma espécie de catarse, justamente por conta dessas características. Um bom exemplo acontece quando o milionário compra a editora em que Ana trabalha só para se livrar do gerente inconveniente e saidinho da moça. Que garota não se renderia ao sujeito que acabasse com seu chefe grudento?

10. Por mais sedutor que seja, Christian é um maníaco por controle, um obsessivo patológico. Para muitas mulheres modernas, que prezam a liberdade acima de tudo, dinheiro e sexo não o tornariam menos chato.

>>>>>

1. Ana perde a virgindade de modo sublime: sem dor, sem muitas dúvidas e ainda com direito a um orgasmo esplendoroso. Muito diferente da vida real. Segundo especialistas em sexualidade, a chance de atingir o clímax é raríssima na primeira experiência. O desconforto e a tensão do momento contribuem para isso.

2. Extremamente preocupado com doenças e uma gravidez indesejável, Christian Grey faz questão de que todas as submissas realizem exames periódicos. E não dispensa a camisinha. Eis que numa transa durante a menstruação de Ana, o milionário puxa a cordinha do absorvente e a penetra, sem preservativo. Mas fazer sexo durante o período menstrual não elimina 100% a chance de gravidez e ainda oferece risco de infecções.

3. Numa passagem em que Christian insinua que quer usar sorvete de creme para fins não alimentícios, Ana pensa: “O que será que ele quer fazer?”. Inocente demais para uma mulher que já teve pelo menos uns 15 orgasmos –a dúvida sobre a sobremesa aparece no segundo livro da trilogia.

4. Os locais onde acontecem as cenas de sexo exploram toda a gama de clichês possível: banheira de hotel cinco estrelas, quarto de Christian na época da adolescência, mesa de sinuca e um barco gigantesco com direito a cama king size e lençóis de linho azul, entre outros.

5. No melhor estilo “os brutos também amam”, após contemplar Ana com uma série de tapas em suas nádegas, Christian a manda tomar um Advil.

6. O plug anal adotado por Ana, com doses mistas de espanto e prazer, é tido como um dos pontos mais escandalosos do livro. Segundo especialistas, aqui no Brasil, país em que uma casa de swing é mostrada na novela das nove e reality shows exibem sexo explícito, tanta polêmica se trata de um paradoxo –ou de hipocrisia.

7. Segundo terapeutas sexuais, a trilogia passa a falsa impressão de que toda pessoa adepta de sadomasoquismo tem um histórico de vida traumático. O S&M pode, sim, ser fruto de situações de abuso, mas muita gente aposta nessa parafilia (padrão de prazer sexual que não se dá através da relação) como um “tempero” para ar transas.

8. Ana é mesmo uma mulher de sorte: além de perder a virgindade sem dor e tendo um orgasmo fantástico, ainda por cima tem um período menstrual curtíssimo –cerca de dois dias, nada de cólica, sangramento mínimo e nenhum sinal de tensão pré-menstrual.

9. A impressão que a trilogia dá é a de que a Srta. Steele nunca havia visitado um ginecologista na vida. Quando Christian a obriga a se consultar com a Dra. Greene –em pleno fim de semana e em domicílio, só para provar mais uma vez o quanto o cara é poderoso– ela só falta chorar de medo da médica.

10. A publicidade em torno da trilogia avisa que o enredo ajuda a aquecer relacionamentos que caíram na rotina –as brincadeiras S&M e a curiosidade em torno desse universo dariam novo gás ao sexo. No entanto, vários especialistas em sexualidade afirmam que a história também pode levar relações a um ponto final. Isso porque nem sempre o sexo é o principal problema de um casamento, pode ser apenas a ponta de um iceberg. E as cenas com tempero sadomasoquista não seriam suficientes para animar as mulheres mais exigentes, que sonham com toda a situação apresentada no livro –glamour, cenários luxuosos, um milionário galã disposto a fazer tudo pela amada. Um marido “banal” sairia em desvantagem comparado ao Sr. Grey.

>>>>

1. Durante boa parte do livro, há a impressão de que a mãe de Anastasia é uma matrona que coleciona um marido atrás do outro. Por telefone, parece mais uma mãe dos anos 1950, preocupada e excessivamente dedicada ao lar. É uma surpresa quando o leitor constata que Carla tem 42 anos.

2. Hoje, qualquer ser humano que se interessa por outro vai correndo checar Facebook, Linkedin, Twitter e até Pinterest do pretedente. Anastasia Steele, porém, só tem a brilhante ideia de procurar no Google o nome do Sr. Grey no final do primeiro livro.

3. As comemorações de formatura de Ana, em um bar e depois no próprio evento da faculdade, são sem-graça, sem bebedeira ou pegação. O que E L James economiza em tensão sexual nessas ocasiões, faz questão de esbanjar de forma totalmente inadequada em um jantar em benefício de uma entidade que ajuda crianças com pais dependentes químicos. A festa é um baile de máscaras em que há até um leilão de moças para uma dança. Ana, claro, está entre elas.

4. E L James lança mão de psicologia barata nas entrelinhas. Ana busca um protetor porque perdeu o pai muito cedo e a mãe teve uma vida amorosa inconstante. Christian bate em mulheres morenas parecidas com sua mãe biológica, uma prostituta viciada em crack.

5. A autora buscou inspiração nos comerciais dos anos 1980 para idealizar a cobertura envidraçada de Christian Grey, que também lembra, na descrição, a mansão de Tony Stark (Robert Downey Jr.) em “Homem de Ferro”. A sugestão é clara: um herói, com o mundo a seus pés, preso na solidão de sua torre. Quem não consegue se lembrar de já ter visto história parecida?

6. O jogo de gato e rato entre Ana e Christian vai se tornando cansativo desde o primeiro livro, principalmente por causa dos e-mails trocados. Quando os dois começam a definir algum sentido para a relação, um ou outro muda de atitude. Ela quer que ele goste apenas de sexo “baunilha” (convencional, na linguagem S&M), ele decide tentar. E então ela começa a achar que não vai ser suficiente para ele e faz de tudo para apanhar. Quando apanha, fica confusa. E tudo recomeça. As cenas de sexo parecem prolongar uma história que se resolveria em um só livro.

7. A eterna fantasia feminina de mudar o homem através do amor é uma ideia mais do que batida, presente até em contos como “A Bela e a Fera”. E L James, no segundo volume (“Cinqueta Tons Mais Escuros”), narra o movimentado passado amoroso de Christian para abordar essa ideia –apesar de ter levado meio mundo para a cama, em experiências arrebatadoras, quem conquistou seu coração foi a ingênua Srta. Steele.

8. Outra ideia latente do livro, bem machista, é a de que uma mulher é livre para fazer o que quiser na cama, desde que seja por amor. Assim, não será julgada. E somente as “boas meninas” serão correspondidas: Elena e Leila, ex-amantes de Christian, traíram os respectivos maridos com Christian Grey e ainda tentaram tirar Ana do caminho por despeito e ciúme.

9. A autora não se aprofunda nas diferenças entre sexo e afetividade. Ana e Christian vivem os dois, mas E L James mostra conservadorismo ao julgar, ainda que muito sutilmente, que o sexo pelo sexo não vale a pena.

10. As experiências de Ana não são pioneiras. Livros como “A História de O”, de Pauline Réage, e “Teresa Filósofa”, de autoria não confirmada, já abordaram o mesmo tema com mais talento e mais erotismo.

>>>>

1. Pouca descrição, muita ação. Profissional da indústria do entretenimento (foi gerente de produção de TV), E L James escreveu o livro como se pensasse em um filme. As transas coreografadas remetem a produções como “Instinto Selvagem” e “Infidelidade”.

2. Com muitas referências a marcas e grifes –Audi, All Star, Apple e até Advil, só para citar algumas–, a suspeita de a trilogia ter sido escrita já mirando o cinema só se reforça. Merchandising garantido.

3. Não há espaço para o leitor imaginar a tensão erótica entre os personagens. Durante todo o tempo a narrativa é óbvia e faz questão de ressaltar as ereções do Sr. Grey sob o jeans ou o quanto a Srta. Steele se sente molhada de tanta excitação.

4. As metáforas empregadas são pobres, preconceituosas e estereotipadas. Loiras são fatais, sensuais e perigosas. Morenas são casadoiras, confiáveis e sinceras. O tempo todo há o contraponto entre a cor dos olhos de Ana –azuis, límpidos, claros– e os do Sr. Grey –cinzas, é claro, misteriosos e obscuros.

5. As descrições referentes a sexo apostam na cafonice. Exemplos: “Nossas línguas duelam”, “Com meu corpo, vou venerar você”, “Escovo os dentes com a escova dele. É como tê-lo em minha boca”, “Sua voz é quente e encorpada como caramelo e chocolate derretido”,  “Quero trazê-lo para a luz”, “Você é a própria Afrodite” etc.

6. Mal dá para saber se Ana é gorda ou magra, se tem seios pequenos ou grandes, se ganhou uma marquinha de biquíni ao curtir uma piscina. Por outro lado, o tempo todo quem lê recebe descrições obsessivas das características do milionário. Ele tem lábios esculturais, seja lá o que isso quer dizer, e adora gel de banho, por exemplo.

7. A trilogia abriu um filão para obras que exploram os mesmos clichês e bobagens. Marisa Bennett escreveu “Cinquenta Tons de Prazer”, com dicas para apimentar a vida a dois com S&M, e Sylvia Day lançou “Toda Sua”, primeiro volume de uma trilogia, cujo mote promocional é avisar ao público que a obra é melhor escrita que “Cinquenta Tons de Cinza”. Escrever “bem”, como se não fosse algo inerente a um livro, nessa área virou diferencial.

8. Embora tenha o sexo como destaque e argumento de vendas, para terapeutas sexuais e estudiosos em literatura, “Cinquenta Tons de Cinza” não é erotismo, muito menos pornografia. Trata-se de um romance estilo água com açúcar, que lembra “Sabrina”, aquela série de romances vendidos em banca, em que no final o amor sempre vence o casal fica junto. Mesmo que os obstáculos venham na forma de algemas ou plugs anais.

9. O texto da autora deixa a desejar (mesmo em inglês). Repete palavras e expressões constantemente, usa muitos lugares-comuns, não contextualiza personagens. Parece subestimar o leitor, julgando que ele só se interessa pelas cenas de sexo que são narradas. Para os especialistas, o entusiasmo excessivo pelo livro demonstra que a pessoa tem poucas referências literárias (tampouco conhece revistas femininas, que exploram o tema à exaustão), uma visão estreita do sexo e pouca maturidade emocional.

10. O livro investe na descrição de aparências e sensações, mas as  informações são superficiais para compreender a verdadeira dimensão humana dos personagens. O passado de Christian, por exemplo, não comove nem prende a atenção –parece que para a própria autora o que importa mesmo é se os dois vão ficar juntos no final. Anastasia, então, não tem passado. Parece que começou a existir apenas quando Sr. Grey surgiu na vida dela.

By: *Consultoria: Arlete Girello Gavranic, terapeuta sexual e coordenadora do curso de pós-graduação em Educação e Terapia Sexual do Isexp (Instituto Brasileiro Interdisciplinar de Sexologia e Medicina Psicossomática); Carolina Braga, psicopedagoga, pedagoga e arte-terapeuta; Carla Cecarello, psicóloga, terapeuta sexual e presidente da ABS (Associação Brasileira de Sexualidade); Mariana Teixeira, doutora em Literatura Comparada pela USP (Universidade de São Paulo), pesquisadora do Instituto de Estudos da Linguagem na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e especialista em literatura libertina.

Leia mais em: http://noticias.bol.uol.com.br/entretenimento/2012/09/25/veja-50-cliches-e-bobagens-que-permeiam-cinquenta-tons-de-cinza.jhtm

29 Comentários

  • marcos alberto de favarri

    SABE O QUE É INTERESSANTE,NENHUMA PESSOA ATE AGORA CONSEGUIU EXPLICAR ESSE NOME RIDÍCULO DE CINQUENTA TONS DE CINZA,ISSO É UMA APOLOGIA A QUE….

  • Alice

    Apesar de não ter lido o livro ou sequer assistido o filme, gostei muito de sua abordagem. Acontece q vivi esse romance na pele. E sim, é possível q a personagem fosse realmente muito ingênua, como eu fui. Não avho q isto esteja fora da realidade, embora concorde em outros pontos com quem escreveu este artigo. ( Li outros respeito do tema e tbm si nopses). O fato é q ñ vejo pq tanto frisson em cima de relação SDM. Meu ex era exatamente esse cara. E hj eu consigo ve-lo como alguém doente. Foi ele quem me recomendou o romance. Disse: ” Quer me entender? Leia o livro” Eu ñ li, mas pesquisei no Google e parei aqui. .rs
    Confesso, vivemos essa história louca que, sinceramente ñ vejo em q pode apimentar ou salvar casamentos. Sádicos e masoquistas são pessoas com uma inclinação p o sexo doentio. E ñ, ñ é divertido, é doloroso e angustiante. Provoca uma confusão de sentimentos por conta do Prazer intercalado com a dor. Docilidade e brutalidade, carinhos e tapas, além do controle e jogos de tortura psicológica. Definitivamente isso é para mentes doentias! Eu amei meu ex, e suportei muita coisa mas quando percebi w estava completamente dilacereda por sua estranha forma de amar, cuidei de salvar a munha vida. Ele dizia: ” eu amo vc, do meu jeito” E nesse jeito dele de amar, eu quase morri. .. Não sou masoquista! E ñ existe essa de mudar o comportamento de um sádico, pq ele só sentirá prazer desta maneira louca e mórbida. Ele foi um grande e assustador pesadelo em munha vida. E quando me recomendou este romance, eu retruquei : leia vc ” mentes perigosas “, talvez vc se compreenda 😉

  • Debora

    Nao reparem na falta de pontos,virgulas,acentos ,etc,sou ruim mesmo nisso.
    E vou corrigir a palavra bruxo,nao sei comp fui escrever brucho kkkk,antes que me corrijam….

      • Anonima

        Ganhei os tres livros de presente, e eles só ajudaram a quase levar o meu casamento para o buraco, é o diabo disfarçado usando de ferramentas para destruir casamentos, eu estava com meu casamento fragilizado quando comecei a ler o livro, e tão logo comecei a ler o livro o diabo colocou um ex namorado de antigamente na minha vida novamente, me atormentando com mensagens , nunca deixei de amar meu marido, mas o que ja nao estava tão 100%, acabou ficando pior por conta do que eu lia e do que o outro rapaz me dizia, por fim, acabei traindo uma unica vez meu marido, por tristeza, por estar perdida mesmo, não acho que nossas atitudes podem ser por culpa de um livro ou de alguem que surge apenas para acabar com a felicidade dos outros, mas sim, tudo isso influencia muito… bom graças a Deus no mesmo momento coloquei minha cabeça em ordem e nunca mais repeti o erro, e também joguei fora os tres livros que para mim viraram 50 tons de arrependimento, hoje tomo antidepressivo, e calmantes para poder viver com a dor da culpa, meu marido nao sabe o que houve, pois só em pensar e ver ele triste ou desapontado ja me faz querer tirar minha vida, ele não merecia isso, e nem eu merecia ter passado por isso…. Bom minha dica para todas as mulher hoje é que não deixem esse tipo de leitura fazer parte da vida de vocês pois ela é a porta para o mal, o diabo acha meios de chegar até as pessoas… e se você permitir ele pode sim estragar todos seus sonhos e sua vida…
        Deixem Deus guiar…

        • Anonimo

          Desculpa, a vc e outras que escreveram mais abaixo, mas literatura nenhuma é capaz de destruir um casamento.. É apenas um objeto.. O ser humano enquanto pessoa é quem o faz

          • FeKzar

            FeKzar

            Obrigada pela participação no Blog. Quero dizer que amo os comentários que recebo aqui no Blog e que são feitos de forma respeitosa. Cada pessoa pensa e vive de forma diferente assim nem sempre concordamos com tudo. Penso que a leitora foi muito corajosa em expor sua vida e contar sua experiência por isso valorizo. Mas com certeza não é um livro que vai destruir um casamento e sim um conjunto de fatores.

  • Debora

    Cont.the last end…
    1-nao tenho conhecimento dos filmes entao nao posso comentar…
    2-nunca pensei nesse ponto,pode ser,pode nao ser,se nao foi propaganda de graça Aff,rsrs….
    3-odeio tensão desnecessária,gosto quando vai direto ao ponto…
    4-nao prestei atenção nisso,mas achei a escrita bem pobre,comparei com aos livros da saga Harry Potter,com uma escrita bem rica…
    5-cafonice pura kkkk…
    6-também achei que a autora falhou nas descrições dos personagens e nao só da Ana.porem em relação ao grey só acho que Ana era detalhista demais…
    7-já ouvi falar que toda sua é muito bom,só da pra comentar isso,pois nao tenho mais referencias…
    8-me lembrou dos romances antigos em parte,mais os livros Sabrina,Júlia entre outros quase nao tinham cenas quentes.eram duas e sem descrições,nao se aprofundavam nisso,nao que eram ruins,eu gostava mais que o segundo e terceiro livro dos cinqüenta tons…
    9-vish ai quem escreveu pecou feio,me considero uma boa leitora desde Harry Potter escrita muito rica apesar de ser sobre bruxos,á boa literatura de os miseráveis.porem as revistas femininas e sites que eu viam nunca tinham abordado o tema S&M,eu me identifiquei com isso,nada a ver sobre pouca maturidade emocional,puro machismo…
    10-o passado de Ana nao precisava aparecer,nem acrescentava nem diminuía nada.o passado de cristiam para mim,minha irmã e amig entre outros choraram,muito emocionante.so acho…
    Ufa acabou,e me desculpo e retiro o que disse a pessoa que escreveu nao é egoísta ou hipócrita,um pouco desenformada sim.xauu

  • Debora

    Cont.desculpa mais me senti obrigada a continuar…
    1-uma coisa é o ponto de vista de Ana,e outra coisa é nosso ponto de vista.cada um vê ou pensa diferente…
    2-meus primos bem sucedidos,por assimilar,nao tem facebook ou qualquer outra rede social,no mínimo whatzapp(é assim que escreve?rsrs).entao se eles fossem CEO’s conhecidos eu procurava no Google também,quando pensasse nisso,também sou um pouco devagar…
    3-acho que pode ser normal em outros países,é só assistir gossip girl,ou o.c um estranho no paraíso e Vera do que falo,entre outras series e filmes.ate em enterros tem uma festa depois já vii…
    4-normal em partes.meio que aconteceu comigo a partida Ana…
    5-ok,ok.
    6-discordo,acho que o erotismo é praticamente o principal do livro e as cenas de sexo tinha, que ser muitas mesmo.e eu sou meio assim Ana,também tentaria impor minha opinião,mais tentaria o mundo dele e depois apanharia também,deixava ele também depois se a história se desenrolasse do mesmo jeito.voltaria e começaria a moldar meu homem.sou confusa…
    7-meu marido só namorava as meninas mais bonitas e patricinhas de onde morava,e ficou comigo muito magra,cheia de defeitos,sentimental demais e nada patricinha.o diferente encantou ele eu sei,o mesmo com cristiam.se minha experiência valer,acho normal isso…
    8-muitos homem pensam assim,o mundo é machista,o que eu odeio pois sou extremamente feminista.enfim triste realidade…
    9-nao entendi aonde quis chegar…
    10-gostaria de lê-los…

  • Debora

    Cont…to comentando porque achei muita coisa sem nexo,pq nem sou tão fã da trilogia.li o primeiro livro completo,só segundo pulei um monte de partes chatas e nao li,ou quase nao li o terceiro…
    1-eu detestei essa parte,ate conhecer minha melhor amigável perdeu sua virgindade em cima do parceiro(jamais eu ficaria em cima da primeira rsrs)totalmente relaxada e amou o estalar do himem,e a pouca dor,ela é meio sadomasoquista.e ate repetiram nao sei se chegou ao clímax.
    2-acho que o risco de infecções é praticamente nulo,já que muitos medico dizem nao haver o menor problema e nao é 100 por cento descartado a possibilidade de gravidez,mais é 99 por cento.
    3-bom eu era assim,quando nao tinha muita experiência quase nao entendia as piadas do meu marido ou antes dele,porém no caso dela ela pode ter pensado nas infinitas possibilidades do que eleoderia fazer,entao o que ele fará com isso?tao normal esse pensamento…
    4-normal em romances…claro clichê…
    5-eu só nao mandava ele enfiar lá,se fosse ela pq ele pediu que ele batesse nela.mais pareceu tao insensível,espanca e depois toma um advil,aff…
    6-Nao lembro ou nao li,depende do ponto de vista eu acho,ou um paradoxo mesmo…
    7-achei nada a ver e o livro nao me fez pensar assim,pelo contrario passei a entender pq de ter tantas pessoas nesse meio,é muito excitante,na sua maioria(meu ponto de vista)…
    8-normal,minha irmã nao sente Nadica de dor,sangrava dois tres dias(sangrava pq depois da gravidez desregrou).entao normal nem todo mundo é igual…
    9-só vou uma vez ao ano pq me obrigo a isso,odeio,morro de vergonha,nao consigo nem conversar com a medica.ela pergunta algo e eu quase mio em resposta,rsrs
    10-meu marido banal tem que estar muito presente no sexo,pois sexo,amor e respeito pra mim andam juntos,dinheiro nao é tudo,sexo é rsrs…

  • Debora

    Cont.a comentar o texto acima
    >>>>>
    1-totalmente possível,se tem jovens de 15 anos,cantando funk e ganhando muita grana,imagina quem se esforçou cedo,tem gente que tem muita sorte na vida,só pesquisar,pura desinformação isso ai…
    2-concordo,clichê…
    3-vários homens são assim.palmadas,etc.fazem parte do mundo dele,ela usar a cueca é algo estranho,novo e possivelmente chocante.
    4-nada a ver nem da vontade de comentar,ele nunca sentiu nada pelas outras(só achava que amou a amiga da mãe,achou.)entao ele poderia nao gostar,eu nao gostaria,rsrs
    5-isso é o que acontece quando se é dono,CEO,ou o que quiser chamar…
    6-puts,muito bobo mesmo…
    7-depende da pessoa.nem todo dominador é igual,sempre tem um diferente sempre em qualquer situação…
    8-vc citou bem:para muita gente,mais para outros nao,adoraria se meu marido aprendesse umas técnicas,na simplicidade da minha casa mesmo,nem que se usassem cordas do varal pra amarrar,dinheiro nao é tudo…
    9-nao precisava comprar uma empresa,toda mulher quer um homem que a defenda em casos que nao da pra se defender sozinha em qualquer outra situação…
    10-sexo com certeza o tornaria menos chato.mais todo mundo tem mais é que tomar cuidado com pessoas obcecadas com o que quer que seja…

  • Debora

    Quem escreveu o texto ai em cima,me parece uma pessoa egoísta,desinformação,leva tudo para o pessoal,e nao entende que o livro nao diz que todo mundo é igual ou totalmente diferente do que tem no livro,bom vamos começar…
    1-sim em romances o d’javu é constante,e é totalmente possível existir mulheres virgem em 2011,estamos em 2014 e minha prima 23anos virgem,e minha amiga 20 virgem.
    2-é totalmente possível ela nao ter tido se quer vontade de beijar(lembre-se nem todo mundo é igual)e chamar atenção de muitos ao redor é tão normal.estranho é quem escreveu estranhar…
    3-totalmente desnecessária a queda e tem razão sobre o resto…
    4-pode ser e pode nao ser…
    5-e dai?menos hipocrisia por favor…
    6-pode acontecer(lembre-se o mundo tem mais de sete bilhões de pessoa),ser imcomum é uma coisa impossível é outra…
    7-totalmente compreensível,eu mesma ia querer mesmo na minha total falta de como ser submissa me sair melhor que as outras….tsc tsc
    8-começou colocar o dinheiro a frente de tudo,totalmente possível acontecer…
    9-Pode acontecer,antes do meu primo ter algum dinheiro,ele usava lans house.e no ensino superior,era o jeito…
    10-eu era assim,muito boba no inicio de namoro e permaneci assim por dois anos,ate amadurecer aos poucos.

  • Patrícia Blanco

    Olá, comecei a ler o primeiro livro no inicio desta semana e estou muito empolgada. Cada vez que tenho de fazer uma paragem fico ansiosa para voltar a ler porque quero saber o que vai acontecer a seguir. estou a adorar o livro apesar de todas as criticas, só acho que algumas partes eram desnecessárias. estou no capitulo 9 e rezando para que ele se apaixone, apesar de ter uma pequena noção que isso não vá correr assim tão bem, vamos lá ver o que acontece 🙂

  • Aline

    Estou terminando o terceiro livro, acho que é aquele livro para você relaxar a cabeça, lógico q comparado a outras obras literarias ele é paupérrimo rss..mas como o objetivo é apenas se distrair então vale a pena. Confesso que já estou enjoada da interminavel descrição das cenas sexuais, vou até acelerando a leitura nessas partes, muitoooooooooooooooo repetitivas..mas tb se retirassem isso acho q sobraria metade de um dos livros, e olhe lá ainda se chegasse a meio.

  • lusialopes

    Adorei a análise .Concordo com a análise,alias excelente, achei um tanto desatualizada, por alguns detalhes,exemplo o fato de uma estudante universitária com vinte um anos ser tão ingenua em algumas descrições e ao mesmo tempo avassaladora em outras a ponto de fisgar um poderoso milionário.Minha opinião é que a autora investiu muito em alguns detalhes e deixou empobrecer outros como por exemplo o fato de deixar de descrever mais detalhes dos protagonistas da trama.

  • Illa

    Eu li os três pq queria saber o final, sou leitora compulsiva, mas tb achei a descrição dos personagens rasas, não vou mentir que curto os livros no estilo Júlia, Sabrina etc… Esse, porém acho q fica melhor msm num filme. Gostei muito da sua análise, enfim, o que curti demais foi Cinquenta Tons do Sr. Darcy que faz uma mistura entre Orgulho e Preconceito com Cinquenta Tons de Cinza.

  • Paulo

    Incrível ver uma opinião feminina igual a minha sobre esse livro que já destruiu muitos relacionamentos como o meu.
    A Maioria das leitoras viaja tanto nesse livro mal escrito que acabam jogando relacionamentos de anos no lixo como se não valesse nada todo tempo passado juntos.
    simplesmente eu acho que essa trilogia uma aula de como ser “espertinha” e conquistar um rei do camarote.

  • Sueli S

    Li a trilogia e gostei bastante. Não é um feito literário, mas entretém a alma feminina, tão sonhadora e fantasiosa. Um “defeitinho” que vi na protagonista é que ela não gostava de tomar banho, apesar do Grey sempre dizer que ela é cheirosa. A exceção dos banhos que ela toma com ele, seus momentos de higiene íntima são sempre descritos como “rápidos”. Cito duas cenas esdrúxulas: chegou da corrida, não tomou banho e mesmo assim Christian fez sexo oral com ela; ficou chorando no chão do banheiro, após o incidente com Leila e ele pegou-a no colo e levou para cama entre outras. Concordo com alguns pontos abordados por ti. O livro tem clíchês, bobagens ao quadrado, pontos obscurecidos por cortes abruptos, como por exemplo: a conversa de Ana com a mãe de Chisthian sobre Elena; Jack Hide espreitando a casa dos Grey; o namoro (ou amizade?) de Mia e Ethan, entre outros. A autora poderia ter abreviado um pouco as cenas de sexo e ter dado mais vida aos personagens coadjuvantes. Mas se eu fosse me deter no que é lógico e no que não é, no livro, não teria curtido a leitura.

  • Marina Azevedo

    Li a trilogia e gostei, porém concordo com muitos pontos abordados. Li uma declaração da autora dizendo que teve como base a trilogia Crepúsculo, quem leu percebe a semelhança. A autora poderia ter dado um pouco mais de realidade para a historia, em algumas passagens chega a ser ridículo a ingenuidade da Ana e seus questionamentos, mas se a historia fosse mais realista, teria feito sucesso?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *